quinta-feira, 22 de julho de 2010

Férias #1 - Vilanculo e Magaruque (Bazaruto)



E foi no passado dia 15 de Julho, que deixámos Maputo para trás.
Com o carro carregado de roupa, tenda, sacos cama, colchões e algumas comidas, fizemo-nos ao caminho, em direcção a norte, sem marcações de alojamento sem rumo certo e definido.
Após 700km, e depois de ter saído de Maputo às cinco da manhã, chegámos finalmente a Vilanculo (ou Vilanculos) onde esperávamos ficar durante uns dias para aproveitar aquele "vilarejo".
Sem marcação do alojamento procurámos e demos com uma pizzaria em que a diária superava 4 vezes o orçamento estimado para aquela noite.
Daqui começámos a ver a beleza deste local e de toda a sua envolvência.



Lá demos com um sitio agradável e simpático onde fomos acolhidos pelo bravo Inoque. Inoque mostrou logo que tudo ali eram facilidades e que conseguia arranjar e providenciar tudo o que pudéssemos imaginar. Até que nos mostrou a nossa casa, prontificando-se a arranjar alguém para lavar o carro e a assegurar-se que iríamos visitar o Arquipélago do Bazaruto. Bem dito e bem feito. E eis que nos mostra a nossa casa:



Bem pertinho do mar... De noite as ondas embalaram os sonhos! Ou pesadelos, dado que mal chegámos, demos com um escorpião/lacrau dentro do quarto. Mal aconteceu este encontro, alguém do outro lado do telefone informa que, por norma, andam aos pares....nunca encontrámos o outro(a), talvez este fosse solitário!


No dia seguinte de manhã, logo após o pequeno almoço, tínhamos marcada a nossa viagem ao Arquipélago do Bazaruto. Desta vez, para visitar a ilha de Magaruque. A ilha mais próxima de Vilanculo. Era então hora de pegar no equipamento de snorkling e ir para o barco "grande, a motor"... ahahaha...para lá fomos à vela, só no regresso é que o motor deu o ar de sua graça, pois andamos a fazer gincana por causa dos enormes bancos de areia, dado que a maré tinha vazado.





A viagem para a ilha é simpática e tranquila. Vamos podendo observar a claridade da água e a muito constante pouca profundidade daquele mar. A ansiedade ia aumentando à medida que chegávamos à ilha. Enquanto isso, íamos dando dois dedos de conversa com um casal Israelita, que estava de férias.



Chegados à ilha, resolvemos percorrê-la. Parece pequena, mas quando a fazemos a pé, custa! Há momentos em que o areal é tão grande que nos dá a sensação de estarmos num deserto.



(cliquem para aumentar e perceberem melhor)


Neste passeio vimos vários bichinhos, polvo, caravelas portuguesas, búzios, caranguejos, etc.... e restos de árvores que o mar deve reclamar para si.


Estas casas encontram-se na ilha. Ficámos sem perceber se eram privadas ou lodge.






Estamos juntos
com companhia no quarto!(mosquitos às centenas e talvez o outro lacrau)

segunda-feira, 12 de julho de 2010

TOFO e as baleias

Aproveitando o fim-de-semana grande, feriado a 25 de Junho (dia da independência), lá fomos nós fazer mais uns Kms, e dirigimo-nos ao Tofo/Inhambane, para também comemorar o aniversário da R.


Estávamos nós, ainda num lento acordar, com esta paisagem maravilhosa, quando não vai, BALEIAS a darem-nos os bons dias! Não é para todos! O mar estava cheio delas. E todas as manhãs que estivemos lá, foi assim, acordar, varanda e passado um tempo, elas apareciam.



Olhem que bonito!!!! A natureza agracia-nos com cada imagem!













Reparem no barco mesmo ao lado da baleia. São passeios que se fazem, mesmo com esse propósito.


Este foi mais um passeio a cavalo, desta vez, com parte da família Melo. Nascer e pôr-do-sol, por estas paragens, são imagens que se colam na nossa retina, para jamais sairem da nossa memória.











Até a lua nos agraciou, porque era noite de lua cheia!











Estamos juntos
com as maravilhas da natureza.

Beijinhos

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Estrada Nacional 1 (EN1)

A estrada nacional 1 (EN1) é a estrada que liga (quase na sua maioria) o Sul ao Norte de Moçambique.

Já temos feito algumas vezes essa estrada... pelo menos parte dela. Foi o caso da viagem ao Tofo, Inharrime, Inhambane e por aí!

Em breve vamos usá-la uma vez mais para ir até Quelimane (destino mais longinquo desta nossa próxima viagem). Quelimane, pelas minhas contas fica a cerca de 1800 km de Maputo. Vai ser uma grande aventura. Vai a Ana e eu.

Sempre que passamos nesta estrada, em alguns troços, lembro-me sempre dos amigos, da família, com quem gostava de poder partilhar in loco todas estas sensações de viajar nestas estradas.

Cheguei à conclusão que não há palavras para descrever, fotografias para mostrar o que sentimos quando viajamos neste país.
Hoje vou por-vos um video pode ser que ajude!

Se isto dos videos resultar, os posts poderão, no futuro, ser apresentados por video.


video




Estamos juntos,
Joao e Ana