quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Eleições 28 de Outubro

Foi ontem, dia 28 de Outubro de 2009 que houve uma eleição única. Desde as 7 da manhã correram às urnas cerca de 10 milhões de eleitores... é verdade... quase a população de Portugal. Claro está que Moçambique tem muitas mais pessoas em idades votantes... o que se passa é que nem todas as pessoas estão recenseadas ou por e simplesmente não se lembram onde é que puseram o seu cartão de eleitor.

Este ano concorreram 3 grandes partidos. A Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) liderada por Armando Guebuza (actual presidente); A Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) liderada por Afonso Macacho Marceta Dhlakama (pronuncia-se aproximadamente como Djacama) e finalmente o MDM (Movimento Democrático de Moçambique) que tem como cabeça de lista Daviz Simango. Todos eles disputam a presidência do país.

Por Maputo a campanha parecia ter apenas 1 candidato. O ainda presidente do país tinha a sua cara espalhada pelos 4 cantos da cidade... Slogans melhor ou pior conseguidos, que podemos destacar "A FRELIMO é que FAZ; A FRELIMO é que FEZ!". É impressionante ver a quantidade de pessoas mobilizadas para as campanhas; o barulho que se ouve nas ruas, nos dias semanas que antecederam ao dia de ontem. O País parecia estar em festa constante... Os brindes mais fantásticos alusivos à campanha, que por diversas vezes me fizeram pensar... "Este país se gastasse algum do dinheiro das campanhas, em assuntos que realmente interessam..." - Logo depois apercebo-me que as eleições são mesmo algo que interessa. Afinal, é apenas pela quarta vez, desde o fim da guerra civil de 1992 que o país promove eleições gerais...

Dos outros dois candidatos soube-se muito pouco. De vez em vez ouvia-se no telejornal nacional algumas coisas, outras vezes quando queríamos ouvir declarações de um ou de outro candidato o telejornal ficava sem som… enfim… lembramos as histórias que o meu pai contava no tempo da outra senhora… Mas não… Aqui é diferente…

Basicamente são eleições que vão muito além daquelas que assisti em Portugal. Aqui elegeu-se para tudo ou quase tudo, apenas não houve eleição para o Governo.

Fala-se muito do que pode vir, em quem se vota, apesar do voto ser secreto. Há pessoas que gostavam de ver a mudança, outros temem a mudança e outros pensam que não há mudança possível por haver só um candidato.

Os resultados devem sair ainda hoje. No entanto, resultados oficiais só para Dezembro, e os novos governantes tomam posse em Janeiro. Tudo a seu tempo e calma.

Além de tudo isto, queria deixar escrito, algo que me intrigou bastante. Os votantes não escolhem apenas os candidatos. São “convidados” a meter o dedo num frasco com uma tinta que só sai da pele apenas ao fim de 3-4 dias… é complicado… ficar com duas falanges e uma unha como se tivesse levado um banho de tintura de iodo. Isto serve para quê? Dizem que é para Não votarem duas vezes e disto podem tirar as vossas ilações…é que eu, nos dias seguintes a este sei quem votou e quem não...


Este é o dedo da colaboradora de sala de aula da Ana, após muito ter esfregado e passado 2 dias de ter votado.



ESTAMOS JUNTOS por um país livre e mais justo

domingo, 18 de outubro de 2009

Quem gosta de ser roubado?

Ora.... Estamos sem internet, NOVAMENTE!!

Para nosso espanto, cortaram-nos a internet. Lá telefonámos, a pensar que era um problema geral e comunicaram-nos que tinhamos excedido o nosso limite mensal que são de 6 Gb. Ficámos PARVOS, pois só tinham passados 10 dias....mas para que não ficássemos desligados do mundo, lá nos informaram que podiamos ir a uma loja da TVcabo(serviço que dispomos) e que podiamos comprar recarga. Saímos e fomos comprar 1Gb, que em 4 dias também, MILAGROSAMENTE terminaram.
Lá se telefonou novamente, isto porque, mais uma vez, achávamos que era problemas na rede. Pois que fomos informados que o consumo tinha chegado ao seu limite. Tanto se esmiuçou que ficámos a saber que devemos de ter um outro ser em casa que nos utiliza a internet, em horas que o computador até estava na sala e não no escritório, ou seja, estava desligado do modem.
Já prevejo a confusão que será, eles investigarem quem nos anda a roubar e pior, acreditarem em nós!
Já escrevemos uma carta e enviámos um mail.....mas acho que mais uma vez vou ter que ir à sede para reclamar. Qualquer dia já me conhecem!
Da outra vez foi porque nos iam cortar a TVcabo por uma suposta divida.....Meti a cara no contrato, fiz as contas que tinha a fazer, e ainda me muni de mais uma ou outra informação. Cheguei lá, fiz-me de uma possivel cliente, até que ele me disse tudo o que eu precisava.....CONCLUSÃO....saí de lá de com mil e tal meticais de saldo positivo.
Qualquer dia peço uma indemnização pelo tempo que gasto lá e pelos incómodos!!!

Esperamos que brevemente possamos estar em contato a horas decentes, pois agora só podemos vir à net na happy hour, ou seja, das nossas 00:00 às o7:00 horas.

Estamos Juntos MENOS com a TVcabo
beijinhosssssssss

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

12 de Outubro - Dia do Professor Moçambicano



Não importa o motivo que te tornou professor. O importante é que és o pilar da nação! Mostra o teu orgulho e amor pela Profissão.

Mensagem enviada, para mim e para a colega M., por uma aluna das XIV jornadas de formação da Escola Portuguesa de Moçambique (no mês de Setembro).

Comemora-se hoje, segunda-feira, à escala nacional, em Moçambique, o Dia do Professor,

Criado a 12 de Outubro de 1981, o Dia do Professor é celebrado este ano sob o lema “Livros Abertos, Portas Abertas.”


Ser Professor é professar a fé e a certeza
de que tudo terá valido a pena, se o aluno
se sentir feliz pelo que aprendeu consigo e
pelo o que ele lhe ensinou...

Ser professor é consumir horas e horas pensando
em cada detalhe daquela aula que, mesmo
ocorrendo todos os dias, é única e original

Ser professor é entrar cansado numa sala
de aula, e diante da reacção da turma,
transformar o cansaço numa aventura
maravilhosa de ensinar e aprender...

Ser professor é importar-se com o outro
numa dimensão de quem cultiva uma planta
muito rara que necessita de atenção, amor e cuidado

Ser professor é ter a capacidade de "sair de cena,
sem sair do espectáculo".

Ser professor é apontar caminhos, mas deixar que o aluno
caminhe com os seus próprios pés nos caminhos da Paz,
e na liberdade dos SONHOS


adaptado por mim, autor desconhecido

Estamos juntos

João


quarta-feira, 7 de outubro de 2009

AVENTURAS texanas

Pois é....por aqui, de vez em quando, o fogo de artificio instala-se, sem mesmo que para isso alguém esteja a comemorar algo. Bem pelo contrário.


Certa noite, estávamos nós e um outro casal a voltar de um restaurante aqui perto de casa, daí que tenhamos ido a pé, quando de repente começo a ouvir uma aceleração fora do normal de carros que passavam no final da Avenida de nome Mao Tsé Tung. Na imagem, a recta vermelha simboliza o trajecto onde estávamos. É também de salientar que nesse curto espaço, o trânsito é feito num só sentido. Em suma, um carro estava a ser perseguido por uma carrinha de caixa aberta da policia, caixa essa onde seguiam 3 policias que disparavam as suas a AK47(kalashnikov). O resto do filme foi...o carro colidiu naquele traço azul. Bem, não foi no traço, mas sim, num carro que estava estacionado, levou ainda no bico um vaso de cimento daqueles que servem para que ninguém estacione em cima do passeio e ainda bateu nas amostras de mosaicos que estavam junto da parede do prédio onde fica uma loja que vende vários materiais para casas.
Se pensam que a perseguição ficou por aqui, enganam-se...O homem ainda conseguiu sair de cima do passeio, fugiu para o lado esquerdo, dado que atrás de si tinha a policia. Quando este mostra sinais de que não se ia imobilizar, a carrinha da policia, pela estrada, volta à perseguição, mas para seu azar, o carro em fuga bateu-lhe de tal forma que deixou ali arrumada, no meio da estrada, a carrinha da policia, juntamente com 5 policias. ahahahahahahaha
Pouco depois ele foi apanhado, sem nenhum furo na pele. Pior ficou o rapaz que tinha acabado de estacionar o seu carro, para ir a casa da namorada, a quem acabámos por ficar a fazer companhia. O carro desse rapaz ficou uma lástima, só de reboque é que poderia sair dali.
Quanto à perseguição, tentem imaginar a causa.... Foi porque o condutor ia em excesso de velocidade naquela avenida. Como existe ali uma esquadra, eles viram e foram atrás. O condutor que ia embriagado teve medo de parar e foi mais valente FUGIU......

Nesta terra quem depois corre perigo é quem está inocente.

No outro dia, chegou aqui a empregada e perguntou-me se eu tinha visto as noticias. Disse que não. Ela então contou que um preso estava muito doente, então levaram-no ao Hospital Central de Maputo.....o rapaz que estava tão mal, milagrosamente ficou com a pilha toda e fugiuuuuuu....a policia nem mais nem menos, começou a persegui-lo mas debaixo de fogo. Nem sei se apanharam o fugitivo, fiquei presa ao facto de ter morrido um senhor que trabalhava numa obra e que estava naquele momento a comer a sua marmita. É triste, perceber que a policia se esquece que existem outras pessoas na via pública.

Bem, mas eu ainda queria contar outra história. No dia 5 de Outubro, eu e o João fomos de manhã às compras num hipermercado daqui, que fica junto da praça de touros (sem touradas). Dei por mim a dirigir a minha atenção para lá, pois tinha começado um burburinho de pessoas. Observei, entretanto, que um carro saía dali a uma grande velocidade, enquanto as outras pessoas, que tinham ficado junto da praça assobiavam e observavam o tal "piloto"! Esse sujeito entrou na estrada onde nós estávamos, mas de repente oiço um tiro, olho para a minha direita, depois de me ter encolhido e vejo um policia, que como não tinha pernas para correr, resolveu atirar.

Quando será o dia que dão uma formação VALENTE a estes pretensos cuidadores da ordem civil?

Estamos Juntos, até debaixo de fogo.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

O País do Queixa Andar

Faz tempo que não tenho conseguido agarrar num livro e LER. Tenho saudades de viajar através das letras que por outro alguém foram inscritas em folhas de papel. Resolvi então aproveitar um momento, em que sou mesmo obrigada a parar(WC), e comecei a ler um livro. Chama-se "O país do Queixa Andar" e é resultante de crónicas jornalísticas que foram publicadas durante as décadas de oitenta e noventa nas colunas "Queixatório" e "Imaginadâncias" que Mia Couto assinava no jornal "Domingo".
Este livro, de 2003, tem-me feito rir, para dentro, pois como é que alguém com tanta delicadeza, charme, imaginação, elasticidade e plasticidade lexical, consegue dizer duras verdade. Tiro o meu chapéu a este senhor.

Não sei se o livro foi editado em Portugal, mas talvez não faça tanto sentido quando não se passou por estas terras. Quando estamos por aqui sentimos que tudo o que ali vem graciosamente escrito são grandes verdades. Tão grandes que nem sei como são permitidas, dado que aqui temos que ter cuidado com o que dizemos. Para uma desbocada como eu, filha da liberdade, isto é sempre um treino.

Deixo-vos um trecho, ou parte dele, de uma das crónicas deste livro. Trecho esse que me parece pertinente, não só para Moçambique como para muitos outros países.

o homem que desconseguiu roubar
Era uma vez um homem que queria roubar o seu país. O seu plano, era o seguinte: começaria pela provincia mais pequena e ia avançando para as maiores. Quando dessem conta, o país já não existia. Já ele o tinha vendido no mercado internacional, onde se vendem países ao desbarato.
Dito e feito. Pegou num saco e começou a meter nele a província mas pequena. Com uma pá ia escavando, metendo terra, pedras e plantas, estradas e fábricas, tudo para dentro do saco. Fez mil viagens, encheu mil sacos. E ao fim de muito esforço viu que a província ainda estava lá. Parecia inteira, intacta, incólume. Voltou para casa e sentou-se num canto, muito triste. Então todos roubam e só ele não era capaz? Assim angustiado, decidiu ligar a televisão. Escutou o debate de uns políticos. Falavam do país, do tal que ele, em vão, tinha tentado lapidar. Tinha os olhos no ecrã, mas era só para se distrair. Foi quando reparou que um pedaço do país estava a sair fora do bolso de um deputado. Reparou melhor e confirmou que assim era. Olhou os outros políticos e viu que, em quase todos eles, os bolsos estavam atafulhados de património nacional...

... O mais estranho ainda estava por vir: é que, de vez em quando, faltava a luz no estúdio. E depois, quando a luminosidade se recompunha, os bolsos dos fulanos já estavam de novo meio vazios. Voltavam a encher, sempre à custa da terra. Mas, de novo, vinha a escuridão e os bolsos vazavam.
Uma das vezes, porém, o intervalo de escuro foi muito breve e viu-se que havia uma mão comprida, que vinha de além do estúdio (a bem dizer vinha de além-fronteiras) e que vazava os bolsos dos nobres senhores. Mas por razões misteriosas lá se enchiam os bolsos de novo. E o ciclo se refazia.
Até que, de repente, aconteceu um facto extraordinário - o chão do estúdio televisivo ruiu. Entrevistados e entrevistadores sumiram repentinamente num abismo. Para o nosso telespectador só havia uma explicação: os grandes senhores tinham tirando tanto país que, por baixo deles, já só havia um enorme buraco....

Mia Couto, O país do queixa-andar

Nota: Desconseguiu....um verbo muito conjugado por aqui.


Estamos Juntos, pela liberdade de expressão!

domingo, 4 de outubro de 2009

A "Trapalhista"



Em Goba, para se ter água é preciso meter o gerador perto do rio, para que a bomba mande a água até um reservatório, onde a água ficará a repousar, para deixar que algumas impurezas assentem. Depois vai para outro tanque onde se coloca desinfectantes. Para levar os materiais necessários o bom do tractor ajuda muito.


Após mais uma pequena viagem até ao rio, em que a subida, por meio de rochas, deixou-me de coração apertado, pois achava que o tractor se iria virar, o Rui achou que eu devia de experimentar andar de tractor.

Meus caros....esqueçam....atrapalhei-me toda. E com um jeito à Mia Couto dei por mim a auto-denominar-me de "trapalhista" em vez de tractorista.
O banco não andava para a frente, logo para carregar nos pesados pedais tinha que levantar o meu traseiro e colocar o meu (pouco) peso em cima dos ditos. Isto tudo porque eu sou muito alta! Depois estava com medo de tractorar tudo o que por ali estava plantado. Eu bem que disse ao Rui que não queria, mas perante a insistência agarrei o touro pelo volante! A lição que tiro sempre é que pelo menos devemos de experimentar para confirmar as nossas aptidões ou faltas delas.

Neste fim-de-semana coloquei a fita do filme da minha vida no reverse. Como este ano os santos populares me passaram ao lado, vivi-os intensamente e à antiga, como nos tempos da minha infância e saltei à fogueira.
Depois o João lá ganhou coragem e o filme isso mostra.



video

Beijinhos a todos.

Estamos juntos e felizes!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Recomenda-se este lodge - Ngwenya Lodge

Vamos lá começar!

Como é o membro do do sexo feminino que está a escrever (Ana) o texto vai ser maior. Porque será? Talvez porque as mulheres sejam mais sensíveis aos pormenores...ou será mesmo porque elas falam mais? Eu digo de minha justiça....porque gosto de comunicar!

Antes de mais, tenho que pedir desculpas por não termos sido muito presentes, mas a vida na realidade tem sido de doidos. Se aí há falta de trabalho, aqui tenho tido trabalho a dobrar! É por isso que este Post tem um tempo de atraso de dois meses, dado que tudo se passou.....

No início do mês de Agosto, voltámos ao Kruger Park. Desta vez fomos para um lodge que fica às portas do mesmo. Tão perto que o que nos divide do parque são vedações electrificadas.
O Lodge chama-se Ngwenya e é na realidade um LUXO!

Esta é a recepção do lodge, que já dá aquele bom aspecto. Talvez quem veja a foto fique com a sensação de ser uma palhota, mas vos garanto que não é!



Só para verem a paisagem que tínhamos. O que estão a ver já faz parte do Kruger park. Aqui estava um Búfalo solitário (coitado) e dois waterbuck (Piva).



Parece que estamos dentro de uma aldeia, mas não.....tudo isto era o Lodge. Este era o caminho para a cafetaria, sala de chá e era ladeado por um lago artificial.
Sim....estamos mesmo em África....mas no SUL....logo faz algum frio. O clima aqui também anda alterado e nestes dias, além de frio caiu uma bela chuvada, tanto que quando chegámos a Maputo, as estradas pareciam ter acabado de presenciar uma guerra!
















Esta era a "nossa" casa, vista da parte de trás. Ahhhh.....estava-me a esquecer de referir que fomos com os pais do João, que tinham vindo cá fazer uma visita e também com a Odete e o Rui, os nossos companheiros de viagens!
A casa tinha 5 quartos. O 5º quarto só o descobrimos passado um tempo, graças ao meu faro felino, ou melhor, à curiosidade felina.
Se repararem no primeiro andar existe uma ventoinha. Perto dela têm uma janela que pertence a um dos quartos, mas se percorrerem a varanda para o lado esquerdo, aparece outra janela. EIS que aparece outro quarto, independente da casa.
É de salvar que todos os quartos são suites, ou seja, todos têm casa-de-banho.
Nesta foto ainda se pode ver a pequena piscina e onde estão as cadeiras é um "braai" (como aqui dizem, ou seja, é um churrasco).


Na preparação para o jantar! Esta cozinha está TOTALMENTE equipada. Loiças, máquina de lavar loiça e roupa, frigorificoS (plural), tostadeira, torradeira, TUDO. Além disso ainda tinha ferro de passar e respectiva tábua, etc. Em suma, tudo o que uma casa de família tem. Mas aqui é parte da kitchnet....a próxima foto mostra o resto...


Havia de ter sido mais dias aqui...
Mas a semana não tardava e o trabalho não se pode colocar em modo PAUSE.... infelizmente!
Não vos vou mostrar mais fotos do kruger, a não ser de macacos, que desta vez eu tive mais sorte e vimos muitos. Já agora, aqui vai um conselho, fechem sempre os vidros do carro e se estiverem parados num dos pontos específicos do parque para se "repastarem" (comer), fiquem sempre de olho nos larápios....eles podem estar à espreita....



Estamos Juntos... viajando por África